quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Lição para a vida toda

Em pé: Zé Maria. Tobias. Moisés. Ruço. Ademir e Wladimir.
Agachados: Vaguinho. Basilio. Geraldão. Luciano e Romeu.

Há 30 anos, o Corinthians saía do jejum de títulos com aquele gol de canela do Basílio contra a Ponte Preta, no estádio do Morumbi. Foi exatamente no dia 13 de outubro de 1977 que deixamos para trás o pesadelo de 22 anos, quase 23, sem erguer nenhuma taça.

Nenhuma goleada contra o maior rival, nenhum gol de placa, nenhum campeonato mundial, nada pareceu mais importante do que aquele momento aos 38 minutos do segundo tempo. E mesmo o corinthiano que não esteve no Morumbi no dia 13 (até quem já tinha morrido, ou quem nem tinha nascido) sacudiu, vibrou, chorou, gritou, riu (e nasceu de novo!) com aquele gol.

Durante os 22 anos de fila, a torcida do Corinthians foi a que mais cresceu no País. Ganhamos a alcunha de fiéis e nos tornamos o que somos hoje: quase 30 milhões de corinthianos que não abandonam o time, esteja ele na situação que estiver. Herdamos dessa época o amor incondicional por esse escudo e a defesa de nossa história a qualquer custo.

Depois daquele Campeonato Paulista conquistamos outros tantos, mas nenhum será tão importante quanto o de 1977. Nenhum gol de placa será mais bonito do que aquele gol confuso de Basílio. E nenhuma torcida será tão fiel e tão feliz quanto a sofrida torcida corinthiana.

2 comentários:

Júlio disse...

E o recorde de torcida no Morumbi, que os bambis nunca vão bater...hehehehehehe

Anônimo disse...

oi leonor preciso falar contigo
elias aredes Junior
me escreve
eliasjra@uol.com.br